Topo da página da Seicho No Ie com logotipo


Diretor-Presidente da Seicho-No-Ie do Brasil


Preletor Yoshio Mukai





Caminhos para superar crises ambientais e políticas



Reverências, muito obrigado.


Caro internauta, neste mês das mães, saúdo e abençoo a sua mamãe querida, portadora do Amor mais próximo do Amor de Deus por você!


O texto que alicerça todo o Ensinamento da Seicho-No-Ie é a Revelação Divina da Grande Harmonia, escrita pelo Prof. Masaharu Taniguchi em 27 de setembro de 1931: "Reconcilia-te com todas as coisas do céu e da terra". E ali, em poucas linhas, compreendemos a principal missão do filho de Deus, na face da Terra: estabelecer a paz e a harmonia.


Aprendemos também que todas as manifestações como crises, sejam elas políticas ou no meio ambiente (desmatamentos causadores do efeito estufa, mortandade de peixes, furacões, desertificações aceleradas e todo tipo de desequilíbrios provocados pela ação do ser humano), são projeção (e ação) da mente humana que usurpa, fere, quer levar vantagem e solapa o próximo.


Por isso, quando a Seicho-No-Ie se posiciona em prol da natureza por meio do Movimento Internacional de Paz pela Fé, não se trata de "atacar" políticos desonestos, ou encetar uma cruzada contra empresas ou grupos que devassam os recursos naturais.


A prática do slogan "Deus, Natureza e seres humanos são originariamente unos", presente na Diretriz da Seicho-No-Ie, propõe uma fé religiosa com atos de amor na forma de uma vida de baixa emissão de carbono (comer menos carne, usar transporte de energia limpa como a bicicleta, promover eventos para a valorização dos produtos orgânicos da região e da respectiva estação do ano, etc.), economia de água e energia, classificação do lixo doméstico, parceria com entidades que trabalham a educação ambiental (interpretação da natureza), entre outras ações concretas.


Portanto, não estamos apenas simplesmente salvando animais e florestas, mas sim fazendo evoluir nossas almas na direção da Grande Harmonia. Sabe-se hoje que muitos povos primitivos da América do Norte, Sibéria e África tinham a crença de que o destino de cada pessoa estava ligado a uma espécie de animal, o chamado totemismo . Era comum sacerdotes indicarem a morte de um determinado animal que, sendo sacrificado, levaria consigo as doenças e males das pessoas. É daí que surgiu a expressão "bode expiatório".


De acordo com a lei mental que diz que tudo ao nosso redor é reflexo da ilusão da mente humana, o que vivemos, no planeta, em termos de crise política e de assombroso desmatamento ambiental, reflete a desarmonia e o sentimento de usura.


Por isso, a Seicho-No-Ie ensina a visualizarmos a Imagem Verdadeira, o aspecto real criado por Deus, e também agirmos. Visualizar um mundo de políticos honestos, um mundo sem desmatamentos, sem fome, isento de violência, e cheio da Luz de Deus, onde todos se reverenciam, amam seus pais, agradecem-se mutuamente e praticam uma vida sustentável – eis uma atitude verdadeiramente religiosa e, por meio da qual, ajudaremos a evitar que a natureza e a sociedade sejam "bodes expiatórios" dos nossos conteúdos mentais.


Harmonizemo-nos mentalmente e façamos nossa parte. Assim, nossas mães nos aplaudem, Deus do nosso interior nos festeja, os nossos antepassados se orgulham de nós, e as futuras gerações agradecem. Novas reverências, muito obrigado.