Site Seicho-No-Ie do Brasil

Artigo sobre o Dia do Museu

No dia do Museu a SEICHO-NO-IE DO BRASIL lança via web um abraço caloroso a todos que trabalham, utilizam para estudo ou apenas visitam esses verdadeiros santuários do saber, os museus.

Atualmente a Organização oferece para visitação o Museu Histórico da SEICHO-NO-IE DO BRASIL, que fica na cidade de Ibiúna-SP, nas dependências da Academia Sul-Americana de Treinamento Espiritual. Fundado em 11 de novembro de 2006, o local possui objetos que contam os primórdios do Movimento em território brasileiro desde a década de 1930.

Origem histórica dos museus – Apesar de se ter notícia de que as primeiras exposições organizadas de objetos foi de origem religiosa, há registros de que o Museu de Alexandria, ainda no ano 280 a.C, foi um verdadeiro templo cultural, freqüentado por figuras ilustres como o filósofo Aristóteles, o filósofo que educou Alexandre, O Grande.

Renascimento – Já no Renascimento (século XV), na Europa, com o início da mudança de ponto de vista em que Deus deixa de ser o centro do Univeso e o Homem passa a ocupar esse lugar, os acervos ganharam requinte, suntuosidade, uma grande variedade e espaço. As famílias de nobres e depois da alta burguesia, que na ausência de máquina fotográfica (ainda não tinha sido inventada) encomendavam seus retratos para grandes gênios como Caravaggio, doavam suas obras particulares para exposições apenas pelo prazer de ver seus objetos expostos. Era uma forma de status.

Origem da palavra museu – De origem grega, o termo significa “templo das musas”, e já era usado em Alexandria para designar o local destinado ao estudo das artes e das ciências.

Atualmente existe o International Council of Museums (ICOM), uma instituição permanente que conserva coleções de objetos de arte ou ciências para fins de preservação ou apresentação pública sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e do seu desenvolvimento.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Museus, “os museus são casas que guardam e apresentam sonhos, sentimentos, pensamentos e intuições que ganham corpo através de imagens, cores, sons e formas. Os museus são pontes, portas e janelas que ligam e desligam mundos, tempos, culturas e pessoas diferentes”.

Nossos parabéns a todos que atuam pelos museus espalhados pelo mundo!

Mais do que visitar o Louvre e olhar nos olhos da Monalisa, ou ainda ver ao vivo o compasso geométrico de Galileu Galilei, conservado, nos dias atuais, no Castello Sforzesco, em Milão, as pessoas que visitam algum museu, como o Museu do Ipiranga em São Paulo, encontram por trás de cada peça o amor de profissionais que primam pela alta qualidade. Todo museu, seja especializado em arte, história ou tecnologia, expressa um pouco da própria “alma” humana, que pode ser vista porque há também muita “alma” no trabalho desses profissionais que zelam pela cultura e pela memória da humanidade, em suas mais elevadas expressões e anseios.

Aos museólogos, bibliotecários e todos que atuam de uma forma ou de outra em museus ou pela preservação da história, enviamos nossas estimas de reconhecimento e gratidão. Muito Obrigado!

Por Fábio Dummer Camargo