Página Principal
Academias
Sobre a Seicho-No-Ie
Forma Humana
Práticas e Cerimônias
Presidentes
Meio Ambiente
Museu Histórico
Organizações
Artigos
Relatos
Notícias
Mensagem do Dia
Lista de Orações
Sede Central
Domingo da SNI
Semana da Paz
Seminário da Luz
Programação 2013-2014
Seicho-No-Ie no Ar
Revistas da SNI
Círculo de Harmonia
Enkan
Brasil Português
Brasil Japonês
América Latina
Outros países
Fale Conosco
Webmaster
Regras de Internet
Direitos Autorais
 


7 de Setembro

No dia 07 de Setembro, dia em que se comemora a Independência do nosso País, a Seicho-No-Ie do Brasil realizou um evento na Academia Sul-Americana de Treinamento Espiritual de Ibiúna-SP, que englobou a consumação de duas cerimônias sagradas. Foram elas a 50ª Cerimônia em Memória dos Pioneiros do Brasil e Oração pela Paz Mundial e a 8ª Cerimônia em Memória das Almas dos Povos que foram Escravizados no Brasil (Índios e Negros).
A finalidade deste dia benfazejo foi a de reunir o maior número de pessoas para orar em conjunto, com muito respeito, pelas almas daqueles que contribuíram para a edificação da Nação Brasileira e dos Países da América Latina.
Com profunda reverência, foram evocadas as almas dos Ancestrais de todas as nações indígenas que, desde as eras imemoráveis, habitaram o território, hoje conhecido como Brasil e dos Países da América Latina. Tais povos foram expulsos de suas terras, tiveram sua cultura aviltada e suas populações dizimadas.
Com a mesma consideração, evocaram as almas daqueles que foram trazidos cativos da África e daqueles que - nascidos em solo brasileiro e nos Países da América Latina - viveram sob o jugo infame da escravidão.
Sabemos que a criação de alguns poucos parques e reservas indígenas e a imposição da justa lei redentora – A Lei Áurea, que decretou o fim a escravatura, libertando o povo negro -, não foram suficientes para reparar tamanhas injustiças e crueldades impostas a estes povos.
O propósito central das cerimônias foi o de concretizar a realização do ideal de todos os povos, que independente da cor da pele ou da origem étnica, devem viver com plena liberdade, de forma harmoniosa, com a mesma dignidade e tratados com igualdade, tendo como base a imutável Verdade pregada pela Seicho-No-Ie de que todos são Filhos de Deus.
Para que este ideal fosse realizado, os povos indígenas e os povos negros foram eleitos para conscientizar a humanidade da igualdade entre os homens, possibilitando uma convivência pacífica entre todos.
Como sinal de gratidão e respeito, honrando as almas que na vida terrena viveram escravizadas, foi realizada a leitura da Sutra Sagrada Chuva de Néctar da Verdade, e pelo poder das palavras sagradas nela contidas, os espíritos que, por ventura, mantinham ainda algum sentimento de ódio, mágoa ou rancor, libertaram-se definitivamente de seus sofrimentos, elevando-se a degraus mais iluminados no mundo espiritual e enviando, desta forma, vibrações de proteção ao Movimento de Iluminação da Humanidade e a todos os seus parentes e descendentes.
No evento, estiveram presentes o Sr. Kaka Werá Jecupé, brasileiro de origem indígena Caiapó, escritor e fundador do Instituto Arapoty, como representante dos índios e a Sra. Maria Aparecida de Laia, Coordenadora Geral da CONE (Coordenadoria dos Assuntos da População Negra), representando os negros.