Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Google Plus + oficial da Seicho No Ie do Brasil
twitter oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

07/07/2008
Relato de Marlene Aparecida Vom Mann Caramuru - Regional Joinville-SC



Conheci a Seicho-No-Ie em meados de junho de 1988; foi a minha salvação e a de meus familiares. Na época, morava na cidade de Criciúma-SC, onde tive a oportunidade de conhecer os ensinamentos do mestre Masaharu Taniguchi. Na época, tinha um excelente padrão de vida.

Fiquei maravilhada com a doutrina e nela acreditei, tomando a decisão de seguir este caminho. Iniciei as práticas com muito fervor, e qual não foi a minha decepção: perdi minha casa e outros bens materiais, meu marido ficou desempregado, tivemos de mudar de cidade e até o padrão de vida; foi o início de uma nova vida.

Porém, acreditando em Deus, nos ensinamentos e na proteção dos antepassados, fé cultivada pela Seicho-No-Ie, nos mudamos para a cidade de Blumenau-SC, para iniciar a caminhada. Persistindo, tomei a decisão de me tornar preletora para transmitir a Verdade aprendida. Queria transmiti-la ao maior número de pessoas, para que as pessoas não sofressem o que eu estava sofrendo no momento.

Aproximadamente em 1990, residindo na cidade de Blumenau-SC, participando das reuniões da A.L. Pomba Branca de Blumenau, colaborava dedicando-me aos trabalhos oferecidos por doação.

Sem nenhum cargo, atuava desde a recepção, organização de Seminários Regional e local, convenções e até na construção da sede da A.L., que atualmente possui sede própria. Colaborava também com a Regional nas outras Associações, realizava palestras, seminários, divulgava revistas, Reunião de Mães e de Crianças, e principalmente levando o Módulo de Estudos da Seicho-No-Ie para a Regional, com o objetivo de formação de novos líderes.

Persisti muito, apesar da crise e dos momentos de desafios e dificuldade enfrentada. Conseguimos recuperar o que havíamos perdido, principalmente a harmonia e a união da família, vivendo, nesta etapa da vida, momentos de muita felicidade e paz.

Porém, em 1994, dificuldades maiores surgiram: meu marido adoeceu, duas filhas iniciando os estudos em faculdade, um filho de 10 anos para educar, eu sem profissão e sem estudos. Foram cinco anos de novos desafios, apoiada nos ensinamentos e práticas sem vacilar, acreditando que estava no caminho certo. Nessa época, fiquei sem o apoio daquele de quem dependíamos – que aprendi a admirar e apoiar, meu companheiro, pai dos meus filhos –, que retornou ao mundo espiritual.

Na época, trabalhava 8 horas por dia como vendedora, com uma responsabilidade maior com os familiares, e o comprometimento de agir e me dedicar como preletora, aumentando a minha dedicação e decisão. Aprendi com a profª Teruko Taniguchi que não havia tempo para chorar e vacilar. Segui em frente no trabalho profissional e na dedicação ao Movimento de Iluminação da Humanidade, amando muito os familiares, o que me apoiava e me dava forças. Prossegui acreditando em Deus e nos ensinamentos, colaborando com a A.L., participando dos Seminários da Luz, estudando o curso de “Educação da Vida” por correspondência, divulgando a Missão Sagrada e distribuindo revistas da Seicho-No-Ie. Só não tencionava assumir cargo. Queria colaborar e apoiar as Federações da Pomba Branca, da Fraternidade, dos Jovens e da Prosperidade, divulgando e apoiando a Educação da Seicho-No-Ie.

Mesmo evitando, fui vice-presidente da A.L., tesoureira e secretária da Associação de Blumenau!
Pensava comigo “Estou ajudando a Seicho-No-Ie”, porém todos os meus sonhos se tornaram realidade, e descobri que os maiores benefícios e ajuda eram para o meu próprio desenvolvimento.

Finalmente, em 2004, surgiu a oportunidade de me tornar instrutora de cursos profissionalizantes. Concorri com 11 candidatos, todos mais jovens, e alguns com graduação superior, pós-graduação, e até mestrado. Fui escolhida dentre os candidatos! A realidade me mostrou que todas as ações foram para o meu aprendizado e benefício próprio. Fui contratada pelo CEV (Centro Educacional Varejista-CDL).

Em 2006, me graduei no curso superior. Atualmente (2007) estou terminando a pós-graduação em gestão educacional, e também trabalho na Faculdade SENAC, atuando como professora. E, no Movimento, também em 2006, nossa presidente da Federação teve de assumir a função de Supervisora Doutrinária, e eu tive a coragem de assumir seu lugar – havia chegado o momento de eu retribuir tudo o que havia adquirido em conhecimento e o amor que sempre recebi da família Seicho-No-Ie. Nesta função aprendi e estou aprendendo muito.

Sempre afirmo que os benefícios são incalculáveis. Sinto muita gratidão. E as dádivas recebidas são muitas, até para proteção e desenvolvimento da nossa Regional. Quando assumi, tínhamos 22 A.Ls. ativas. Fundamos mais duas e reativamos mais três. Em 2008, vamos fundar mais duas que são locais de Reunião de Vizinhança, uma delas em Três Barras, distante da Regional e da cidade onde resido uns 280 km, com uma freqüência de mais ou menos 35 pessoas, sendo o local da reunião numa escola.

Atualmente, tenho seis vice-presidentes prontas para me substituir nas próximas gestões. Nossa Regional não tinha coordenadora de caravanas. Eu mesma sempre fugi dessa responsabilidade. Imbuída de força, coragem e fé, resolvi ser a coordenadora de caravanas da Regional Joinville, trabalho gratificante e com muitos relatos de experiência. Hoje, temos quatro coordenadoras de caravanas, e teremos seis participantes no próximo encontro de coordenadores de caravanas na Academia de Curitiba, nos dia 1 e 2 de março de 2008, todas se preparando para realizar um grandioso trabalho de divulgação nas Academias.

Na A.L., que é o meu trabalho de base e que nunca abandonei, contribuo com o Ciclo de Estudos da Prosperidade, realizando as atividades necessárias, divulgando, convidando novos alunos, coordenando apresentação e recepção.

Tornei-me PAMS, função que exerço com muita gratidão, com o apoio da Supervisora e do CDOR. Elegemos uma nova Coordenadora Regional da Missão Sagrada, elaborando um programa para 2008, com o objetivo de aumentar, desenvolver e divulgar a Missão Sagrada, para que maior número de pessoas possa ter a oportunidade de praticar atos de amor, contribuindo com o Movimento de Iluminação da Humanidade.
Sou grata à minha família, às filhas que se formaram na universidade, ao filho que está cursando faculdade de direito, atualmente estudando e trabalhando na Califórnia, aos meus queridos netos e genros.

Agradeço muito a Deus, aos ensinamentos, ao mestre Masaharu Taniguchi e à Seicho-No-Ie que me oferecem oportunidades para prestar atos de amor.

Obrigada, Deus, mestre Masaharu Taniguchi, Seicho-No-Ie. Renovo a decisão de estar sempre crescendo dentro do Movimento Internacional de Paz pela Fé.