Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Google Plus + oficial da Seicho No Ie do Brasil
twitter oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

19/05/2008
Depois de sair do “fundo do poço”, Maria Luiza
viu-se diante da pior das doenças – e venceu!


O sagrado mestre Masaharu Taniguchi afirma que vence aquele que nunca desiste. Ao olhar nos olhos de Maria Luiza Pagliari, 56 anos, moradora de Rio Verde, Goiás, vêem-se turbinas, faróis esperançosos, caminhos apontados para Deus. No entanto, esta preletora que atua na Regional GOGOIÂNIA foi convidada pelo destino a um malfadado passeio às profundezas de um abismo que de repente se abriu diante de seus pés.

Com o sonho de prosperar, acaba às portas da miséria – Em 1995, Maria Luiza tinha um bom emprego havia 20 anos, mas ela queria dar um passo além. Fez um acordo e achou que, com a indenização e os bens que já possuía, poderia melhorar de vida. Passado um ano, ela havia perdido tudo. De mãos abanando, decidiu mudar de cidade e de Estado, e foi morar em Rio Verde, Goiás.

Desempregada, aluguel para pagar e três filhas para sustentar – A situação se agravava. O emprego não vinha. Para sustentar as três filhas, de 12, 15 e 17 anos de idade à época, Maria Luiza contava com a solidariedade dos colegas da Seicho-No-Ie.

– Para minha tristeza, a minha filha mais velha teve de parar de estudar, pois eu não tinha condições de custear o ensino – conta Maria Luiza.

Prática constante do ensinamento – Tempestades rondavam a vida de Maria Luiza e de suas filhas, mas em momento algum ela abandonou as práticas e a atuação como Promotora Assistente de Missão Sagrada (PAMS). Finalmente, em 1997, apareceu um emprego fixo, depois de vários meses fazendo “bicos”.

– Devagar, tudo começava a se encaminhar. Minha filha mais velha foi para o Paraná, onde havia sido aprovada em um vestibular da faculdade estadual. Porém, a luta continuava, pois a minha segunda filha também tinha parado com os estudos por motivo de falta de recursos – lembra Maria Luiza.

Maria Luiza decide prestar concurso: uma vaga, 40 candidatos de alto nível – Nessa época, apareceu um concurso para trabalhar em uma faculdade pública local, mas as perspectivas não eram favoráveis. Maria Luiza tinha parado de estudar havia 20 anos e a maioria dos candidatos à única vaga era composta de universitários.

– Mas aí apliquei o que havia aprendido nessa filosofia maravilhosa: ao iniciar a prova fiz a Meditação Shinsokan e agradeci muito ao meu falecido pai por ter dado estudo aos 12 filhos, com muito sacrifício. Pedi a ele para me ajudar a fazer o mesmo com todas as minhas filhas. Para minha surpresa, passei em primeiro lugar e fiquei com a única vaga – conta Maria Luiza, que, com a melhora da situação financeira, pôde dar curso superior também
às outras duas filhas.

Vida estável, casa própria e as três filhas com curso superior: quando tudo parecia bem, o pior dos diagnósticos – Dez anos depois de ter conhecido o fundo do poço e ter-se erguido novamente, e prestes a se tornar avó, Maria Luiza deu de cara com um novo pesadelo, um câncer em estágio avançado no intestino.

– Os médicos disseram que eu teria de fazer a cirurgia imediatamente. Não contei a minhas filhas, pois queria que meu neto nascesse primeiro. Me abri, à época, apenas com a preletora Bernadete Colin, que me ajudou muito – rememora Maria Luiza, que também não consegue descrever a imensa gratidão que sente pelas preletoras Ilda Zorzan e Odaria Guimarães, além de todos da Seicho-No-Ie.

O neto nasceu, e ela revelou a verdade à sua família. Veio força de todos os lados, mas a “guerreira Maria Luiza”, como suas filhas a chamam, usou as obras da Seicho-No-Ie como verdadeiros tacapes da esperança em sua caminhada. Durante uma semana, antes da cirurgia, realizou Oração de Gratidão aos Antepassados e leitura do
livro A Humanidade é Isenta de Pecado diante do oratório diuturnamente, ou seja, quase sem intervalos, dia e noite.

Previsões médicas: urgência de cirurgia, UTI pós-operatório, provável uso de bolsa e aplicação de quimioterapia – A cirurgia foi um sucesso, e Maria Luiza saiu do hospital antes do previsto. Não precisou passar pela UTI nem fazer uso de bolsa. Depois de 15 dias, veio outro resultado positivo: não havia necessidade de fazer rádio ou quimioterapia.

– Meu pai e alguns tios meus haviam partido para o mundo espiritual com esse mesmo problema, câncer no intestino. Quando foi constatado, contrariando todas as previsões, que eu estava completamente curada, senti que meus antepassados também haviam se libertado – finaliza Maria Luiza, que, mediante todas as adversidades, jamais desistiu e, hoje, leva uma vida saudável e cada vez mais feliz.

 


Circulo de Harmonia