Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Google Plus + oficial da Seicho No Ie do Brasil
twitter oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

19/05/2008
Caminhando Com Deus


De cima do estrado, vinha a voz firme e sonora do Mestre. Na platéia, logo à frente, havia um grupo de alunas da Escola Preparatória de Noivas da Seicho-No-Ie ouvindo atentamente suas palavras. O auditório estava repleto de adeptos ansiosos por ouvir sobre a Verdade. Eu estava à esquerda do púlpito, assistindo também, sentada ao lado dos membros da diretoria da Seicho-No-Ie. Tinha, então, 42 anos de idade.
Quando entrava no recinto da academia da Seicho-No-Ie, em companhia de meu marido eu deixava de considerá-lo como tal, passando a vê-lo como meu Mestre. Já encontrara Deus dentro de mim e não tinha mais necessidade de procurá-lo fora. Entretanto, sentia uma imensa e intensa necessidade de me aperfeiçoar incessantemente, manifestando cada vez mais meu Deus interior. Assim, chovendo ou nevando, eu freqüentava as academias da Seicho-No-Ie, seguindo meu Mestre.
O amor pleno, a sabedoria perfeita, a Vida eterna – tudo isso já foi concedido a todos os seres viventes da Terra. Já somos dotados de Vida eterna. Somos indestrutíveis, inabaláveis e imortais. Mesmo quando vemos a imagem da Lua fragmentada nas ondas do mar, a Lua em si permanece perfeita no céu; o mesmo se pode dizer do ser humano: A doença é apenas um aspecto aparente, um fenômeno passageiro; o ser humano verdadeiro permanece sempre perfeito. Que mundo abençoado!
Hei de me desenvolver e aperfeiçoar cada vez mais, visando ao crescimento infinito!
Vivíamos dias calmos e felizes na “casa da colina”. Nessa casa, uma pomba branca – símbolo de amor e pureza – botou muitos ovos e nasceram filhotes que se afeiçoaram a nós e se aninhavam em nosso colo.
Meu marido trabalhava no escritório, eu em nosso quarto, e nossa filha fazia suas tarefas no quarto dela. Ficávamos horas separados, cada qual empenhado no seu trabalho, mas não sabíamos o que era solidão. O marido vivia dentro da esposa; a esposa vivia dentro do marido. Os pais viviam dentro da filha; a filha vivia dentro dos pais. Fora de casa podia haver tempestade, mas no interior de nosso lar reinava sempre calor e paz.
Deus estava em mim. A felicidade estava em mim. Tudo estava em mim. Por isso mesmo, desejava tanto caminhar com Deus para crescer infinitamente.

 


Revista Pomba Branca - Maio 2007