Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Google Plus + oficial da Seicho No Ie do Brasil
twitter oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

05/05/2008
Sala de Consultas
Sobre a Fé


Pergunta: Sobre a causa do nascimento de deficientes congênitos e o significado da dor. Entendemos que tudo que Deus criou é perfeito; sendo assim, como se explica a existência de pessoas portadoras de deficiência?

Resposta:
Consta na página 111 do volume 9, Mundo Espiritual (I), da coleção A Verdade da Vida, no subcapítulo O que o espírito fala do “significado da dor”, o seguinte:
(...) o espírito protetor toma para si a dor, e, com isso, é acelerada a evolução do próprio espírito.

Por isso podemos entender que, para espíritos em determinadas fases de evolução, a dor serve para o aprimoramento da alma, necessário à sua evolução. Consta também, na página 108 do mesmo livro:
Esta vida (o nascimento neste mundo) é uma provação imposta para o bem da nossa evolução.

Portanto, considerar que seja um mal toda dor, e concluir que é inteiramente infeliz o fato de certa pessoa ter nascido física ou mentalmente imperfeita, não deixa de ser interpretação parcial, examinado apenas sob determinado ponto de vista. No momento, encontro-me extremamente atarefado e não consegui determinar exatamente onde, mas há nessa coleção trechos em que o autor diz mais ou menos o seguinte: “É elevado o espírito de pessoas nascidas física ou mentalmente deficientes. O espírito é um cavaleiro, e o corpo, seu cavalo de montaria. Isso significa que o próprio espírito de elevado nível de desenvolvimento escolheu esse corpo imperfeito como seu cavalo de montaria, para, através dos treinamentos para conduzi-lo, acelerar seu processo de evolução. Portanto, não devemos menosprezar os portadores de deficiência. Há, dentre os deficientes físicos ou mentais, espíritos muito mais elevados que os das pessoas sadias, portadoras de físicos perfeitos. Se o cavalo chamado corpo carnal é de excelente qualidade, o cavaleiro (espírito) não encontra dificuldade em cavalgá-lo, ainda que seja imaturo e inábil. Em tal caso, não há necessidade de esforço do próprio cavaleiro para o aprimoramento técnico, ou seja, esforço do próprio espírito, portanto, este não consegue uma evolução acelerada”. Constam também mensagens espirituais afirmando, em linhas gerais, que “O estágio de evolução da alma não pode ser conhecido pelo grau de desenvolvimento da inteligência cerebral da pessoa. Ainda que seja um espírito imaturo, se o corpo que ele encarnou for portador de dispositivo automático chamado cérebro de excelente qualidade, pode manifestar capacidade elevada nesta vida terrena, ao passo que, mesmo um espírito elevado, se tiver esse dispositivo automático chamado cérebro imperfeito, não poderá manifestar integralmente sua potencialidade, apresentando deficiência. Neste caso, tais restrições físicas ou as adversidades constituem um dos requisitos para o aprimoramento desse espírito”.

Também é correta a interpretação de que “aqueles que nasceram deficientes físicos manifestam tal forma imperfeita para expiarem o pecado cometido na encarnação anterior”. Em casos de espíritos elevados, eles conscientemente vêm ao mundo com físicos imperfeitos, dispostos a, com isso, redimir os erros cometidos na encarnação anterior. Na página 103 do mesmo livro citado, consta:
Segundo explica Vetterini, quase metade de todos os tipos de sorte que uma determinada “vida” recebe é determinada pela lei do carma. Do restante, uma metade é livremente manipulável pelo indivíduo, e a outra metade está nas corretoras mãos dos espíritos elevados.

Lei do carma é aquela segundo a qual “recebemos de volta o que damos aos outros”. Por exemplo, no livro Josei no Risō (N. da T.: ainda não editado em português; tít. prov.: Ideal da Mulher) consta o caso de uma pessoa que, mesmo atingindo a adolescência, não conseguia curar-se de enurese. Sobre a causa desse grave problema, impossível de ser sanado por qualquer tipo de terapia espiritual ou por sugestionamento, o famoso vidente Edgar Cayce esclareceu o seguinte, através da sua leitura espiritual:

Esse jovem havia sido pastor na Europa da Idade Média, época em que sacerdotisas e médiuns eram massacrados, considerados possuídos por espíritos malignos que contrariavam o espírito de Cristo. Naquela encarnação, ele era encarregado de prender as sacerdotisas e médiuns com grilhões e lançá-los na água, afogando-os. Assim, de acordo com a lei do carma, por ter “jogado os outros na água e fazê-los sofrer”, sofria nesta encarnação molhando-se na cama todas as noites, apesar de já estar bem crescido. Após descobrir a causa, Cayce orientou o rapaz, dizendo palavras de sugestionamento para eliminar o carma da vida passada. No dia seguinte, ele estava curado da enurese.


Do livro Shinko Sodanshitsu (ainda não editado em português; tít. prov.: Sala de Consultas sobre a Fé), p. 93, 96-100