Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Google Plus + oficial da Seicho No Ie do Brasil
twitter oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

13/09/2007
Maria José Melo Mendes - Recife-PE


Meu nome é Maria José, sou casada e tenho um filho.

Venho de uma família de oito filhos, da qual sou a quarta filha. Sempre ajudei meus pais nos negócios da família, pois eles eram comerciantes, e também os ajudei a cuidar de meus irmãos menores.

Sempre tive o desejo de me casar e constituir a minha própria família. Viajava, ia a festas, estudava e tirava boas notas na escola. Com 22 anos, já no 4º ano de faculdade, tinha o desejo de me casar com um rapaz que fosse solteiro, e só ser dele quando nos casássemos. Sempre confiei em Deus. Sempre acreditei no amor de Deus por todos nós. Eu também sabia da responsabilidade do casamento e me perguntava: “Com quem vou compartilhar uma vida tão boa?”.

Quando já estava com 32 anos e até meus pais achavam que eu estava encalhada, no mês de setembro, fui com minha irmã mais velha acompanhar nossa mãe que iria se submeter a uma pequena cirurgia. Enquanto eu e minha irmã esperávamos minha mãe no quarto, ela me ofereceu a Oração da Metade da Alma, da Seicho-No-Ie. Minha irmã era praticante da Seicho-No-Ie, e muitas coisas boas haviam acontecido na vida dela, desde que começara a praticar esse ensinamento. Eu havia aprendido que tudo é válido e bem-vindo quando a pretensão é melhorar nossas vidas e, portanto, não tinha preconceito, nem quanto a pessoas, nem quanto a re­ligiões.

Já tendo a consciência de que Deus está em todas as pes­soas e em todos os lugares, aceitei com humildade, fé e esperança a Oração da Metade da Alma e comecei a plantar em minha mente a certeza de que, agora, iria me casar, e, ali mesmo, naquela sala de espera do hospital, comecei a praticar e a agradecer a Deus, a meus pais, a meus irmãos, aos homens casados e separados que surgiram no meu caminho, tão-somente porque pensava neles de forma errada, julgando que não prestavam por não respeitarem suas esposas. E era justamente o que eu mais atraía na época – homens casados interessados em mim –, porque era o que eu mantinha em minha mente. Assim, me libertei dos pensamentos indesejáveis e hostis; passei apenas a agradecer ao que eu queria e que era bom, tal como aprendi na Seicho-No-Ie, pois comecei a participar das reuniões da Associação Local, intensifiquei a prática diária da Oração da Metade da Alma, mentalizando um homem maravilhoso que seria o meu marido e iria me fazer muito feliz.

Eu orava, mentalizava e agradecia a esse homem maravilhoso, que já estava vindo ao meu encontro. Em novembro desse mesmo ano, já comecei a ter notícias desse maravilhoso homem por antecedência. Era um primo legítimo de uma cunhada minha, que estava vindo de São Paulo visitar a família. Ele era solteiro, trabalhador, temente a Deus e também estava procurando uma boa moça para se casar.

Em 3 de janeiro, fomos apresentados e, de imediato, houve reciprocidade entre nós. Com três dias marcamos um encontro, e ele me pediu em namoro; e, lógico, eu aceitei. Ele desistiu de voltar para São Paulo e aceitou minhas exigências de sermos “um do outro” somente após recebermos as bênçãos de Deus.

Estamos casados há dez anos, e nosso filhinho já tem o livrinho de orações para crianças da Seicho-No-Ie.

Quando conheci meu marido, ele sofria muito com mágoa e revolta contra seu pai. Passei para ele a Oração para Perdoar, que consta no livreto Meditação Shinsokan (assim como a Oração para encontrar a metade da alma), e hoje ele é um grande amigo e companheiro do pai.

Nós agradecemos diariamente a Deus-Pai, de amor e bondade, por ter-nos feito o que somos hoje. Agradecemos ao mestre Masaharu Taniguchi, por este ensinamento maravilhoso da Seicho-No-Ie, que revela tantas graças em nossas vidas. Muito obrigada!

 

 


Pomba Branca - setembro/2007