Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Google Plus + oficial da Seicho No Ie do Brasil
twitter oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

28/06/2007
Seicho-No-Ie: ecologia e espiritualidade na prática


Em 2000, a Sede Inter­nacional da Seicho-No-Ie tornou-se a primeira insti­tuição filosófico-religiosa a ter o credenciamento no Sistema ISO 14001. Sob a aura desse honorável título, o máximo órgão gestor da organização pôs-se a cumprir uma série de normas para a proteção do meio ambiente e prevenção contra a poluição.
Por si só, esse fato, que repercutiu vastamente na imprensa japonesa, faz de cada líder da Seicho-No-Ie, no mundo todo, um propagador em potencial da conduta ecologi­camente correta, sob o ponto de vista espiritual.
Como, então, agirmos efetivamente, enquanto porta­dores legítimos desta bandeira de defesa da vida?

Ser Seicho-No-Ie é ser porta-voz dos ventos, das águas e dos pássaros – Vivemos tempos em que não se espera maior heroísmo do que viver com simplicidade. Os salvadores da pátria, das revistas em quadrinhos ou de filmes de Hollywood, saíram das telas e do imaginário e, hoje, desfilam pelas calçadas, anônima e silenciosamente, salvando o planeta com ges­tos simples – porque o destino do mundo está nas mãos de quem não joga lixo na rua e consome produtos menos poluentes.
Porém, disseminar o si­gni­ficado espiritual de prote­ger o ecossistema confere a pre­le­tores e dirigentes uma res­ponsabilidade a mais – tão séria quanto apaixonante. Aqueles que atuam como lí­deres em Associações Lo­cais, Regionais ou na Sede Central empunham a auto­ridade de quem cerra fileiras numa en­ti­dade reco­nhecida in­ter­na­cionalmente pelo exem­plo que dá.
Da diretriz até as pro­gramações de reuniões nos núcleos, passando pela prática pessoal de reciclagem de lixo, uso moderado da água e outras pequenas ações, tudo isso faz de nós um exército do bem, em silenciosas milícias da paz que, somadas, repre­sentam grande diferença para o planeta.

Vamos atuar cada vez mais – Para vestirmos nossas ações com a roupagem da coerência, o verbo “fazer” precisa fundir-se ao “pregar”. Será que não podemos fazer mais do que estamos fazendo no momento?
Corremos o risco de um dia destes nos pegarmos andando dentro de uma fri­gideira. O aquecimento global é o aumento da temperatura média superficial da Terra e vem ocorrendo mais brusca­mente nos últimos 150 anos. Isso pôs os olhos da popu­lação um pouco além dos mu­ros do próprio quintal – e deixou militantes da Verdade, como nós, da Seicho-No-Ie, em alerta máximo.
Segundo estimativas pro­jetadas pelo Painel Intergo­vernamental sobre Mudanças Climáticas, ou IPCC (sigla em inglês), até o ano 2100 os termômetros do planeta apon­tarão entre 1,4 grau e 5,8 graus a mais na temperatura, em média. E o nível do mar deverá subir, nesse mesmo período, quase um metro.
Por conta disso, desde a década de 60 o globo terres­tre apresenta 10% menos de áreas cobertas por neve. Mais cedo do que se pensa, países insulares poderão ficar embaixo d’água.
Amar os pais, agradecer a todas as coisas do Universo e pensar positivo.  A Seicho-No-Ie ajuda a limpar o campo astral da Terra. Enquanto os Estados Unidos (responsáveis por um terço da poluição por gases) negam-se a se somar ao Protocolo de Kyoto (pacto de não-emissão de poluentes no ar), cada um de nós, indivi­dualmente, faz a sua parte. Mas, muito além do alcance dos olhos, o campo energético que cobre a Terra recebe o re­sultado dos esforços conjuntos de todos os adeptos da Seicho-No-Ie. Cada evento, a prática de Shinsokan de Oração Mútua ou a leitura da Sutra Sagrada Chuva de Néctar da Verdade imprimem uma força purificadora invisível na atmosfera.
Em uma reverência pro­funda a todos os dirigentes da Seicho-No-Ie, conscientes da importância das práticas espi­rituais para a sobrevivência da humanidade, o Boletim Informativo Círculo de Har­monia registra e enaltece a atuação fervorosa de todos que trabalham pela expansão do Movimento. A Natureza agradece.

 


Circulo de Harmonia - julho 2007