Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

01/06/2009
Movimento carbon free incentiva plantio de árvores por empresas e pessoas físicas


Quantas árvores você já plantou neste ano? Nenhuma? Não se preocupe. Por enquanto não vão lhe fazer essa pergunta com muita frequência. Mas anote aí: apenas por enquanto, porque logo vai se popularizar uma tendência
mundial: ser ecologicamente correto é ser um carbon free.

O que é ser carbon free? – Enquanto o calor das queimadas “esquenta” os noticiários sobre o efeito estufa, a consciência de muitas pessoas é “chamuscada” e um grito mundial surge na mídia: a onda agora é ser carbon free. O adjetivo, que se tornou moda até mesmo entre celebridades, como o ator Leonardo DiCaprio, significa ser atuante na luta pela neutralização da emissão de gás carbônico na atmosfera. Na prática, ser carbon free é plantar árvores para combater o excesso de carbono no ambiente.

Como se tornar um carbon free? – No Brasil, todos podem se tornar um carbon free, ou seja, uma pessoa que neutraliza sua parcela de emissão de gases causadores do efeito estufa. Basta acessar o site da organização não governamental Green Initiatives, ou Iniciativa Verde (www.iniciativaverde.org.br). Nele, você tem à disposição uma espécie de “calculadora ambiental”, que faz automaticamente o cálculo de sua produção anual de gás carbônico.

A Seicho-No-Ie está procurando alternativas para adquirir o próprio plantel de árvores para neutralizar as atividades realiza das durante o ano.

O CO2 não é um vilão – O gás carbônico (CO2) é apenas um dos gases que produzem o efeito estufa, que é um
fenômeno natural e imprescindível para o planeta. Os gases do efeito estufa formam uma espécie de película que aquece a Terra em média 33 graus célsius, o que permite que haja água em estado líquido, possibilitando, assim, a vida na Terra. Sem esses gases, a temperatura cairia para 18 graus negativos, tornando impossível a vida da maioria das espécies existentes hoje.

Entendendo o efeito estufa – O Sol emite radiação que alcança a Terra. Uma parte dela é refletida e volta para o espaço, mas uma quantidade dessa radiação é bloqueada e reflete-se novamente na Terra através de alguns gases, dentre eles o CO2. Este fenômeno é o efeito estufa.

Com o aumento da emissão de gás carbônico, principalmente pela queima de combustíveis fósseis (óleo diesel, gasolina e carvão), a temperatura do globo terrestre está subindo. Cientistas afirmam que esse aumento poderá ser de 1,8ºC a 4ºC até o ano 2100.

E se temperatura da Terra realmente subir? – Recentemente houve um divisor de águas entre o que era só especulação e o que é científico. Um relatório do IPCC, órgão das Organizações das Nações Unidas (ONU) que reúne 2.500 cientistas, previu, no início de 2007, um cenário catastrófico. Fome em massa, desaparecimento de 30% das espécies vivas, elevação do nível dos oceanos em até 60 centímetros, escassez de água potável, enchentes e a propagação de doenças: esses são alguns fenômenos previstos e que já começam a ser observados.

Brasil – O Brasil ocupa a nada honrosa quarta colocação no ranking de países que mais liberam gases causadores
do efeito estufa. O desmatamento na floresta amazônica é responsável por dois terços das emissões brasileiras de
CO2. Segundo o IPCC, 550 milhões de toneladas de gás carbônico poderiam deixar de ser despejadas na atmosfera se o desmate fosse reduzido nas Américas do Sul e Central.

O CO2 nosso de cada dia – Cada pessoa produz anualmente, em média, 22 toneladas de CO2. Quando se fala de indústrias, esse número se eleva bastante. A proposta é simples: devolver ao meio ambiente a capacidade de absorção de CO2, efetuada pelasárvores durante a fotossíntese.

Cinco maneiras de diminuir o aquecimento global – Há cinco formas de diminuir o aquecimento global, que são: trocar combustíveis fósseis por renováveis; aumentar a eficiência do consumo de energia elétrica; aprisionar CO2 debaixo da terra; diminuir o desmatamento e plantar árvores; e promover mudanças no comportamento de cada pessoa (desligar a torneira quando escova dentes, ir ao trabalho de bicicleta, reciclar o lixo etc.). Tudo isso pode se resumir a um ponto essencial: mudar a matriz energética em escala global, ou seja, gerar fontes renováveis de energia.

Atitudes de um legítimo carbon free – Além de verificar quantas árvores você precisa plantar para neutralizar sua emissão pessoal de gás carbônico, para ser um verdadeiro carbon free é necessário adequarse à equação 3 R + C, a saber: 1) Redução de consumo; 2) Reutilização de materiais; 3) Reciclagem de rejeitos; e 4) Compensação das emissões de CO2. Tudo isso, no dia a dia, significará não apenas uma pequena parte, mas a diminuição de algumas toneladas de gás carbônico na atmosfera.

Seicho-No-Ie: espiritualidade que gera preservação – A Seicho- No-Ie, que vem sendo uma voz mundial muito
além do vanguardismo nas iniciativas do Supremo Presidente professor Masanobu Taniguchi, está em vias de receber em sua sede brasileira a auditoria externa em busca da Certificação ISO 14001.

Por isso, na busca por contribuir com o desenvolvimento sustentável do planeta, a organização no Brasil incentiva não apenas ações como o plantio de árvores, mas também uma completa revisão de comportamentos que preservam o meio ambiente, sugerindo iniciar pela limpeza da mente e do coração, o que se refletirá num planeta limpo e em condições de uso pelas próximas gerações. Na medida em que se purifica a alma, tornam-se naturais ações como economizar água nas tarefas do dia a dia, apagar lâmpadas, reciclar lixo, economizar papel evitando impressões desnecessárias, entre outras.

 


Circulo de Harmonia