Instagram oficial da Seicho No Ie do Brasil
Google Plus + oficial da Seicho No Ie do Brasil
twitter oficial da Seicho No Ie do Brasil
Youtube oficial da Seicho No Ie do Brasil
Facebook oficial da Seicho No Ie do Brasil

26/08/2008
SEICHO-NO-IE DO BRASIL está prestes a se tornar entidade religiosa pioneira na defesa do meio ambiente


Seguindo o exemplo da Sede Internacional, a Sede Central da SEICHO-NO-IE DO BRASIL caminha a passos largos rumo ao certificado ISO 14001, que atesta o cumprimento dos requisitos ambientais para uma inter-relação responsável com o meio ambiente. Desde junho de 2008, a AAP Desenvolvimento Empresarial presta assessoria especializada à rganização, promovendo treinamento de colaboradores e a implementação das etapas necessárias ao processo de certificação. No primeiro momento, 32 colaboradores, sendo 22 da Sede Central, seis da subsede e quatro da academia de Ibiúna, receberam treinamento. Desses, serão nomeados cerca de 25 auditores internos. A data-limite estipulada como meta para atingir a certificação é julho de 2009. Somente após esse período é que o processo será estendido para as outras academias e depois para as regionais. O Gabinete do Meio Ambiente garante que cada passo será dado de forma tranqüila e todas as decisões serão repassadas com as devidas instruções e antecedência.

Confira a entrevista com Alexandre Périgo, diretor-técnico da AAP Desenvolvimento Empresarial, que, entre outros itens de um vasto currículo, possui qualificação internacional como auditor de ISO 14001:2004, além da experiência de 17 anos como consultor.

CH – O senhor poderia fazer um resumo dos passos que a SEICHO-NO-IE DO BRASIL terá de dar até a certificação?

Alexandre Périgo – Os passos básicos para a certificação são: o diagnóstico inicial, que mostra a situação e o desempenho ambiental atual da organização; o levantamento e a classificação dos aspectos e os impactos ambientais inerentes às suas atividades; o levantamento e o atendimento dos requisitos legais (legislação) aplicáveis às suas atividades, aspectos e impactos ambientais; a construção da documentação de controle operacional (procedimentos, instruções e outros documentos para melhoria da performance ambiental da organização); o treinamento dos envolvidos e a implementação desses documentos (geração de evidências de uso dos Alexandre Périgo documentos e suas rotinas); auditorias internas (por pessoal da própria organização, após treinamento específico) e auditorias externas para a certificação (realizadas por organismos internacionais).

CH – Levando em conta a sua avaliação inicial da SEICHO-NO-IE DO BRASIL, como será o processo até a certificação em 2009?

AP – Como em todo projeto que envolve e depende de pessoas, é difícil prever isso. No entanto, baseado no interesse e na motivação iniciais do pessoal envolvido, diria que o processo tende a correr de modo adequado. Outro fator que me leva a crer nisso é a busca espontânea da certificação, o que é muito positivo, já que a maioria das organizações busca certificações por pressão de seus clientes, o que não é o caso da Seicho-No-Ie.

CH – Quais as medidas que os funcionários podem e devem tomar imediatamente em seu ambiente de trabalho?

AP – As mudanças ocorrerão de modo planejado, sem atropelos, como deve ser quando tratamos de mudanças profundas, comportamentais .

Montaremos um sistema que acompanhará as atividades da Seicho-No-Ie para sempre, por isso não devemos correr, mas sim fazer as coisas de modo consistente e duradouro. No entanto, não correr não significa não fazer nada. Já temos um grupo de trabalho representativo atuando em várias frentes. Acho que inicialmente todos devem se preocupar em manter suas instalações limpas e organizadas.

Assim, já começamos a melhorar naturalmente nosso desempenho ambiental. As mudanças mais significativas virão após o levantamento de aspectos e impactos ambientais de nossas atividades e com a descrição e implementação de nossos procedimentos de controle, como para a coleta seletiva de lixo e a economia de água e luz, para exemplificar. Aí, sim, precisaremos do comprometimento efetivo de todos, sem exceção.

CH – A Seicho-No-Ie é a primeira instituição religiosa a solicitar os serviços da AAP Desenvolvimento Empresarial? Como você vê essa iniciativa?

AP – Sim, a Seicho-No-Ie é a primeira instituição religiosa à qual atendo nesses quase 20 anos em que estou no mercado de implementação de sistemas de gestão. Acho a iniciativa exemplar.

CH – Quais os benefícios que uma organização obtém depois de receber a Certificação ISO 14001?

AP – Basicamente, os benefícios são para todos, isso transcende o movimento da Seicho-No-Ie, à medida que, melhorando seu desempenho ambiental, o movimento ajuda a melhorar o cenário geral, e todos ganhamos com isso.

CH – Qual a diferença entre o ISO 14001 e o ISO 9001?

AP – Essas normas se diferenciam por seu propósito. Ambas as normas propõem sistemas de gestão, mas a ISO 9001 é voltada para a ualidade de produtos e serviços e a ISO 14001 é voltada para a gestão ambiental.

CH – Passe-nos qual sua opinião para o fato de que, normalmente, as empresas primeiro procuram obter a certificação da ISO 9001 e posteriormente partem para a certificação da ISO 14001. Torna-se atípico a Seicho-No-Ie ter a iniciativa de pleitear diretamente a certificação da ISO 14001?

CH – Passe-nos qual sua opinião para o fato de que, normalmente, as empresas primeiro procuram obter a certificação da ISO 9001 e posteriormente partem para a certificação da ISO 14001. Torna-se atípico a Seicho-No-Ie ter a iniciativa de pleitear diretamente a certificação da ISO 14001?

CH – Resuma de que forma será feito o controle para garantir a manutenção da Certificação ISO 14001.

AP – A Certificação ISO 14001 é um caminho sem volta. Abandonar as práticas de gestão ambiental que implementaremos nos próximos 12 meses acarretará na perda do certificado, com decorrente prejuízo de imagem. Por isso, o movimento passa a ter a responsabilidade de manter suas rotinas e procedimentos de modo que seu desempenho ambiental sempre melhore ao longo do tempo. E isso só se consegue trabalhando a cabeça das pessoas. Vale dizer que o organismo certificador (responsável pela certificação) fará auditorias periódicas para garantir a continuidade do funcionamento do sistema que está sendo implementado.

CH – Quanto tempo, em média, um funcionário leva para internalizar, ou seja, tornar habituais, as atitudes que serão exigidas para que a Seicho-No-Ie alcance a certificação?

AP – Isso depende do modo que passaremos a mensagem a cada um e de seu nível de consciência ambiental. É perigoso incorrermos em generalizações. O que posso dizer é que muitas vezes há o que chamamos de contaminação positiva, ou seja, as pessoas menos comprometidas passam a mudar de atitude ao ver seus colegas trabalhando de modo ambientalmente responsável.

CH – Qual deve ser o tipo de envolvimento dos participantes da Seicho-No-Ie para com a organização, no tocante à iniciativa de obter a certificação?

CH – Qual deve ser o tipo de envolvimento dos participantes da Seicho-No-Ie para com a organização, no tocante à iniciativa de obter a certificação?

CH – O senhor acha que os ensinamentos pregados pela Seicho-No-Ie podem pesar positivamente no processo de certificação?

AP – Até onde sei, a própria filosofia da Seicho-No-Ie prega o respeito ao meio ambiente. Assim, nosso projeto é convergente com os ensinamentos, o que tende a facilitar as mudanças comportamentais conseqüentes do projeto ISO 14001

 


Circulo de Harmonia