Categoria:

Notícias

 

 

SEMINÁRIO ESPECIAL PARA EDUCADORES TRAZ O TEMA “O MUNDO SE MOVE QUANDO EU ME MOVO”

O Dia dos Professores foi comemorado mais cedo neste ano na SEICHO-NO-IE. O Seminário Especial para Educadores, realizado na sede da entidade, localizada na região do Jabaquara, aconteceu no dia 30 de setembro de 2012 e reuniu cerca de 170 pessoas. Dezenas delas educadores e futuros profissionais da área.

Somou-se também ao evento a singular presença do professor e escritor Ruy César Espírito Santo, docente na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC, e autor do livro O Renascimento do Sagrado na Educação. A obra serviu como referência durante seu discurso, em que falou dos principais acontecimentos da história da educação no Brasil e no mundo. Citou nomes de celebridades que influenciaram a transformação da política mundial e explicou por que os educadores precisam ensinar sobre eles a seus alunos. “Não adianta trazer de fora o conhecimento sem desenvolver e educar o ser humano”, diz. “É preciso que o potencial criador seja tirado de dentro dele”, acrescentou.

As palestras também contaram com um público de profissões diferentes, como é o caso da administradora de empresas Maria Helena, de 63 anos. Ela diz que sabia que a conferência era destinada a educadores, porém foi orientada pelo preletor da SEICHO-NO-IE da região onde mora, Pinheiros, de que podia participar. “O preletor me disse que a palestra serviria para qualquer pessoa que tivesse interesse em educação, e, como está difícil educar filho hoje, eu, na condição de avó, tento me atualizar para saber lidar com a minha neta.” Entre olhares atentos e envolto por uma decoração repleta de girassóis, Ruy César ressaltou sobre a importância da educação das crianças no momento da infância. O professor alerta sobre a necessidade que elas têm de brincar e saber aproveitar as coisas cada uma em seu tempo.

Antes de iniciar o trabalho de orientação, os visitantes puderam fazer a leitura da Sutra Sagrada Chuva de Néctar da Verdade, que foi lida pelo preletor e membro da Comissão Executiva Central (CEC) dos educadores Wilson Batista Martins, também diretor da Fundação da Grande Harmonia (projeto destinado a obras de inclusão social). O Seminário começou com a execução do Hino Nacional, e a palavra foi dada ao preletor Marcos Rogério Silvestri Vaz Pinto. Com uma mensagem simples, mas muito bem elaborada, o preletor Silvestri consegue transmitir aos espectadores a grandeza do mundo e da inteligência de cada um. Mostra que a intelectualidade é relativa, pois existem diversas formas de desenvolvê-la. “Algumas se destacam na área de Matemática, outras na de Português. O importante é contribuir e juntar, sem enquadramento de nota”, afirmou o preletor, durante sua fala após fazer a pergunta: “Quanto inteligente você é?”.

O futuro professor de Geografia Marcelino de Souza Ferreira, de 42 anos, veio de Itaquera, São Paulo, especialmente para o evento. Com o celular em mãos e no ponto de gravação, era possível notar a atenção dele em cada questão colocada. Ao assistir a um dos vídeos, no que falava sobre a aplicação dos ensinamentos da SEICHO-NO-IE DO BRASIL em uma escola, Marcelino se empolgava e dizia espelhar-se. “A cada reunião que vou, fico impressionado. São pessoas que têm uma bagagem de sabedoria muito grande. A gente olha a pessoa que está dando a palestra e quer inspirar-se nela. Você quer ser o melhor”, confessa.

Nesse Seminário Especial para Educadores, intitulado “O mundo se move quando eu me movo”, teve premiações. Os educadores voluntários das superintendências de São Bernardo do Campo, Santo André, Santo Amaro, Interlagos, Santos, Aricanduva, Guarulhos e Mogi das Cruzes passaram a ser presidentes dessas associações. Também tiveram sorteios de livros e venda de kits educacionais.

Mensagem de Ruy César Espírito Santo para os profissionais da educação: “Só é possível educar quem sabe de si mesmo, senão você tem cego conduzindo cego. As pessoas só podem educar profundamente quando acordam para a realidade de si mesmas e sabem a força que têm na atividade de educar.”

Por Viviane Andrade dos Santos