Categoria:

Diretor Presidente da Seicho-No-Ie preletor Tuguio Teramae






Diretor-Presidente da
SEICHO-NO-IE DO BRASIL
Yoshio Mukai

 

Sendo reconduzido a Diretor-Presidente pela vontade de Deus e confiança dos companheiros de fé

Reverências, muito obrigado!


No dia 26 de novembro de 2016, a Assembleia Geral Ordinária da SEICHO-NO-IE DO BRASIL confiou-me mais uma vez a honra e a responsabilidade de atuar como Diretor-Presidente na gestão 2017-2019. A todos, meu muito obrigado, principalmente ao Presidente Doutrinário da Seicho-No-Ie para a América Latina, Preletor da Sede Internacional Fumio Nishiyama.

Estive na mesma função entre os anos 1996 e 2001. De janeiro de 2001 até 2004 ocupei o cargo de Presidente Doutrinário da Seicho-No-Ie para a América Latina em Exercício. Em 31 de julho de 2004 assumi em definitivo a presidência doutrinária, que cumpri até dezembro de 2012.

Olhando um pouco mais para trás, de 1954 a 1983, ou seja, por mais de 28 anos, fui dirigente voluntário do Movimento. Como funcionário da Sede Central, foram 33 anos, de 1983 em diante. E agora, retorno sem auferir remuneração e me sentindo aquele mesmo menino que assumiu a Associação Local de Jovens da cidade de Uraí/PR, na presença do Prof. Miyoshi Matsuda, na década de 1950.

Talvez alguns possam se perguntar: por que o Mukai, com quase 83 anos de idade, mesmo podendo descansar de sua longa jornada em prol da Seicho-No-Ie, volta a atender ao chamado para ser novamente Diretor-Presidente?

Minha resposta é a seguinte: nada pode ser mais feliz do que fazer os outros felizes, ou seja, transmitir a Verdade que salva lares, vidas e o planeta, por meio da construção de uma nova civilização que cresce em conjunto com a natureza, baseada no slogan "Deus, Natureza e seres humanos são originariamente unos".

Nasci no ano de 1933, na cidade de Vera Cruz/SP. Cresci em uma família Seicho-No-Ie. Vi muitos milagres acontecerem na sala de minha casa, quando meu pai, Chukiti Mukai, realizava a Meditação Shinsokan e a leitura das sutras e livros. Da vizinhança que comparecia, muitos chegavam desesperados e saíam completamente curados. Desde então, aprendi muito com os pioneiros do Movimento. Meu pai certa vez me ensinou: "É sim, sim, ou não, não! Nunca fique no meio termo ou indeciso".

Do Prof. Miyoshi Matsuda recebi várias orientações, e até broncas. Não foi diferente com o Prof. Katsumi Tokuhisa, que me ensinou a me doar com esforços redobrados, mesmo quando tudo parecesse estar satisfatório. Ambos me tratavam com um amor realmente de família.

Quando meu pai foi levado pelo exército brasileiro, no ano de 1944, quando o Japão se encontrava na condição de adversário do Brasil, o Prof. Daijiro Matsuda veio rapidamente até a nossa casa. A conversa era comigo. Ele, que me conhecia desde bem pequeno, quando eu tinha de engraxar as suas botas de couro cru que usava pelas andanças de divulgação a cavalo, mandou chamar-me à sala para um assunto sério, de homem para homem. Ora, eu tinha apenas 11 anos de idade, mas ele já via em mim um homem de capacidade infinita. Disse-me ele: "Agora você vai ser responsável, vai ter que cuidar da casa".

Não sabíamos se meu pai voltaria vivo. Mas ele voltou. No entanto, aquela imagem do Prof. Daijiro, e o fato de eu compreender que a minha família era a Seicho-No-Ie e a Seicho-No-Ie era a minha família, me ensinaram uma lição profunda: se há algo a ser feito, vá lá e faça com todo o seu amor, pois esta é a vontade de Deus para sua vida, para sua família, para a Família Seicho-No-Ie e para o mundo. Não há idade quando somos chamados e o nosso dever é amar o próximo.


Conto com todos os senhores nessa nova jornada de grandes desafios. Reverências, muito obrigado!



Yoshio Mukai